Pesquisar este blog

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Artistas amapaenses tiram dúvidas e cobram ação do MinC em audiência pública na Assembleia Legislativa

Durante toda a tarde desta quinta-feira (29), representantes de vários víeis da cultura amapaense participaram no plenário da Assembleia Legislativa do Amapá (ALAP), da audiência que tratou da implantação         do Sistema Estadual de Cultura. O evento foi uma iniciativa da deputada Roseli Matos (DEM) presidente da Comissão de Educação e Cultura da Casa, que após ter participado das Conferências de Cultura que aconteceram em todos os municípios do estado, observou a necessidade do assunto ser discutido de forma mais ampla, envolvendo todos que vivem da arte.

O propósito da audiência foi promover um amplo debate entre artistas, produtores culturais e gestores públicos. O chefe da Representação Regional Norte do Ministério da Cultura (MinC), Delson Luis Cruz, expôs sobre este novo modelo de gestão estabelecido pelo MinC e a necessidade do estado estar inserido no Sistema. “O Amapá é o primeiro estado brasileiro onde todos os municípios aderiram ao Sistema”, informou.

O representante do MinC, falou do papel do estado  na Gestão Pública da Cultura, que é garantir a todos os cidadãos brasileiros o pleno exercício dos seus direitos culturais com base nos artigos 215 e 216 da Constituição Federal. “Acredito que estamos dando a vara para as pessoas pescarem e não simplesmente dando o peixe. Acho que a partir desse processo que será concluído com a instalação do Fundo Nacional de Cultura vamos criar outra realidade para a cultura do nosso Estado, onde as prefeituras e movimentos culturais vão ter mais autonomia para poder acessar os programas, os recursos que existem no MinC que parece que nunca chega para a região Norte”, resumiu o secretario estadual de Cultura, José Luiz Pingarilho, quanto a adesão do Amapá ao Sistema Nacional de Cultura. “É dessa forma através do debate democrático que vamos buscar abrir caminho para elevar ainda mais o trabalho cultural no nosso Estado”, frisou o secretario elogiando a realização da audiência pública que é uma conquista por chamar a atenção das autoridades e da população para a questão cultural do nosso Estado. “Para mim, a Assembleia Legislativa vai ficar mais arejada com a agregação dos artistas amapaense nessa discussão”, frisou  Pingarilho.

A presidente da Associação dos Cantores Evangélicos do Estado do Amapá (ACEAP), Silvia Otoni, questionou o representante do MinC, sobre a inclusão dos evangélicos em programações estadual e nacional.

O vereador de Macapá Marcelo Dias (PSDB) destacou a presença do Grupo de Marabaixo do Maruanum. “Estou feliz em trazer para dentro da Assembleia Legislativa, esse grande debate assim como foi feito na Câmara de Vereadores de Macapá. Espero que possamos avançar cada vez mais e principalmente que o artista amapaense seja tratado com dignidade e respeito que ele merece e poder dividir o palco com artistas nacional”, frisou o vereador, referindo ao descaso que os artistas da terra sofrem durante a realização da Expo-feira, o mesmo tema foi abordado pelo secretario de Cultura de Mazagão, João Porfirio Freitas Cardoso.

O escritor Ricardo Pontes, que representou o Conselho Estadual de Cultura, colocou que a realização da audiência publica foi um momento impar para os artistas que estão na situação de buscam uma solução para o Plano Estadual de Cultura e o Fundo Estadual de Cultura.

Na opinião da deputada a participação de todos foi de fundamental importância. “Precisamos sensibilizar os gestores para terem um olhar diferenciado para a cultura, a audiência é para servir como interlocução entre os artistas e os gestores públicos, minha função como deputada é fomentar esta discussão dentro do parlamento”.

 

Assembleia legislativa do Estado do Amapá – ALAP
Departamento de Comunicação – Decom
Direção – Cleber Barbosa
Texto: Everlando Mathias | Foto: Gerson Barbosa
Atualização: Rômulo Araújo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deputada Marilia articula projeto de práticas restaurativas nas escolas da rede pública

Para contribuir com o processo de resolução de conflitos nas escolas, órgãos públicos do estado trabalham em conjunto no desenvolvimento ...